sexta-feira, 7 de julho de 2017

VISITAS 2 - pisco-de-peito-ruivo

«Roubei» esta bela imagem Aqui

Nome: Pisco-de-peito-ruivo ou pintarroxo
           Erithacus rubecula

Identificação: é uma das espécies mais visíveis da nossa fauna. Canta em qualquer época do ano, sendo o seu canto um dos mais bonitos. É facilmente reconhecido pela enorme mancha alaranjada que se estende da testa até ao peito.

Abundância e calendário: durante a primavera e verão é comum no noroeste do país. No inverno, distribui-se por todo o território. Embora possa ser observado em Portugal durante todo o ano, no sul a melhor ocasião é no outono e inverno, já a norte é na primavera, quando esta espécie está mais vocal. 



Encontram-se na Casa do Sargassal, onde todos os anos vêm procriar no telheiro que cobre a entrada da casa.
Este ano tive a felicidade de colher algumas imagens em vídeo, da impaciência das crias na hora da refeição, que anexo, no post de hoje.

video

sexta-feira, 16 de junho de 2017

FRAMBOESEIRA


 
Nome vulgar: Framboeseira
 
Nome botânico: Rubus idaeus
 

Fruto: Framboesa, de coloração rosa-vermelha ou mais raramente, branca, amarela ou roxa, A polpa é muito aromática e de sabor agridoce.
 
Algumas variedades: variedades remontantes (planta que florece sem cessar durante toda a estação própria): Autumn Bliss e Heritage; variedades não remontantes: Glen Moy.
 
Origem: Centro e Norte da Europa e parte da Ásia.
 
Clima e Solo: A framboeseira prefere zonas com boa luminosidade: sol ou meia-sombra. Solos soltos, bem drenados, com boa quantidade de matéria orgânica. Planta resistente ao frio e ao calor, no entanto prefere climas amenos com temperaturas baixas no inverno e verões frescos.

Propagação: Pode fazer-se através dos rebentos (filhos) que saem do solo junto ao pé da árvore, propagação mais rápida ou por estacas.
                                            
Floração: Primavera / Verão

Colheita: Quando os frutos estiverem maduros, após terem perdido toda a sua acidez. É considerada a altura ideal de maturação quando o fruto se separa facilmente do recetáculo.
 
Composição nutricional:
 
 

Utilização: Existem várias maneiras de utilizar os frutos, crus, cozinhados ou em sumo. São frequentemente utilizados em iogurtes, saladas, sumos, molhos e recheio para bolos.

Receita: Torta de chocolate e framboesa
Ingredientes: 180 gr de farinha de trigo, 40 gr de cacau em pó, 1 colher (sopa rasa) de fermento em pó, 170 ml de leite, 170 ml de água, 100 gr de açúcar demerara, 60 gr de açúcar, 100 gr de manteiga sem sal, 220 gr de chocolate fondente (ou meio amargo), 2 ovos, 1 pitada de sal, 200 gr de framboesas frescas.
Modo de preparo: numa vasilha, misture a farinha, o cacau e o fermento em pó.
Leve ao fogo o leite, a água, as duas qualidades de açúcar e a manteiga, Antes que a mistura comece a ferver, desligue o fogo e acrescente o chocolate em pedaços grosseiros.
Misture e deixe amornar.
Despeje a mistura, em fio, na farinha, e sempre misturando acrescente os ovos ligeiramente batidos com a pitada de sal.
Cubra com papel manteiga uma forma de 20 cm. Despeje 3/4 da mistura, coloque as framboesas (separando algumas para a decoração), coloque o restante da mistura, e leve ao forno a 180º C por 45 minutos. Decore com as framboesas frescas.
Fonte: (http://www.cucchiaiopieno.com/2009/12/e-natal.html)
 

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

O OUTONO CHEGA HOJE ...

Hoje (às 14:21 horas) começa o outono, a estação das folhas caídas.
O início do outono é também conhecido como equinócio do outono, o fenómeno que marca o final do verão e a chegada da nova estação.

A seguir: imagens, provérbios e frases sobre o outono.

 
"No outono o Sol tem sono"
 
 
"Quem planta no Outono, leva um ano de abono"
 
 
"Outono quente traz o diabo no ventre"
 
 
"Uma árvore em flor fica despida no outono. A beleza transforma-se em feiura, a juventude em velhice e o erro em virtude. Nada fica sempre igual e nada existe realmente. Portanto, as aparências e o vazio existem simultaneamente.
Dalai Lama
 
 
"Gosto do outono porque ele é frio suficiente para refrescar o calor... E é quente o suficiente para aquecer o frio!
Lidiane Araújo Mejozebato
 
 
"Se um dia lágrimas vierem ao seu rosto, não pense no porque! Pense nas folhas do outono, elas não caem porque querem, e sim porque chegou a hora.
Raphael Bacellar
 

segunda-feira, 18 de abril de 2016

BRILHO SUSPEITO DA CASCA DE FRUTA? É CERA DE ABELHA

Há poucos estudos sobre este aditivo alimentar.
Pode causar reação alérgica em pessoas sensíveis.



O vídeo em que um utilizador raspa a casca de uma maçã e depois queima os resíduos com um isqueiro, afirmando serem de plástico, circula no Facebook. De facto o uso de uma cera na casca das maças, de laranjas e de outras frutas chamou a atenção de vários associados.
Na verdade, trata-se de cera de abelha, que pode ser usada em produtos de confeitaria, como o chocolate, ou em aperitivos, frutos secos e, como tratamento de superfície, em citrinos, melões, maças, pêras, pêssegos e ananases. É um aditivo alimentar permitido na União Europeia e serve de revestimento ou de transporte de corantes, espessante e estabilizador. Existem poucos dados sobre a sua segurança alimentar.
Mas há indicações de que pode conter substâncias suscetíveis de causar reações alérgicas. Os indivíduos mais sensíveis devem informar-se junto do médico sobre os riscos, pois esta cera não sai com a lavagem.
Existem maiores concentrações de vitaminas e minerais na casca da fruta. Porém, se esta tiver sido tratada com pesticidas, a casca é o local que retém maior concentração de substâncias nocivas, que não são removidas com a lavagem. Na dúvida sobre a origem da fruta, o melhor é descascar.

A cera de abelha é um aditivo alimentar autorizado, mas há riscos para pessoas mais sensíveis.

(Li este texto na revista nº373, da Deco-Proteste)

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

PRODUTOS DA HORTA

AIPO


O aipo possui diversos benefícios para a saúde devido às suas propriedades diuréticas, expetorantes, laxantes, tónicas e é rico em flavonoides, vitaminas e minerais fortalecem as defesas imunitárias e o metabolismo.

Por ser diurético, o aipo elimina as toxinas acumuladas no organismo, combate o inchaço e ajuda a emagrecer. O aipo é rico em água, potássio, sódio, cálcio, fósforo, ferro e vitaminas B e C.



         O aipo pode ser totalmente utilizado, desde a raiz até as folhas, podendo ser adicionado às receitas culinárias ou sob a forma de chá.
É uma planta muito versátil na cozinha, pode ser consumido em saladas cruas, cozidos, sopas, pratos de aves, peixes ou assados.



terça-feira, 22 de dezembro de 2015

INVERNO COMEÇA HOJE ...

 

 
O solstício de inverno ocorre esta terça-feira, às 04h48 (hora de Lisboa), marcando o início da estação do inverno no hemisfério norte, indica o Observatório Astronómico de Lisboa. 

O inverno, a estação mais fria do ano, prolonga-se por 88,99 dias, até ao próximo equinócio, que acontece a 20 de março, às 04h30, assinalando o começo da primavera.
 
O solstício de inverno ocorre quando o Sol atinge a maior distância angular em relação ao plano que passa pela linha do equador. Embora a data não seja a mesma em todos os anos, pode-se dizer que ocorre normalmente por volta do dia 22 de Dezembro.

Enquanto nos países do hemisfério norte, como Portugal, começa o inverno, nos países do hemisfério sul, inicia-se o verão.

No primeiro dia de inverno, as temperaturas máximas, no continente, vão oscilar entre os 7ºC em Bragança e os 19ºC em Faro, de acordo com o portal do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Em Cabeceiras de Basto as temperaturas vão rondar entre 1ºC e 13ºC.

O céu vai estar, em geral, pouco nublado em todo o continente.
 

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

ALECRIM

 
Nome vulgar: Alecrim
 
Nome botânico: Rosmarinus officinalis
 
Algumas variedades: existe uma variedade cujo nome é Rosmarinus officinalis prostratus, que também é usada como planta ornamental.
 
Ciclo de vida: Arbusto de folha persistente.
 
Origem: Região Mediterrânica, característica das zonas costeiras, rochosas e arenosas.
 
Clima e Solo: O alecrim gosta de calor, locais secos, não aguenta terrenos encharcados. Gosta de solos arenosos, embora com facilidade se adapte a outro tipo de solo, exceção os argilosos.
 
A folha: O alecrim apresenta folhas pequenas e duras sem pecíolo. Muito aromáticas as folhas, de cor verde escura na face superior e esbranquiçadas/prateadas na face inferior.
 
Propagação: Deve ser plantado de preferência na primavera ou verão. A propagação pode ser feita através do corte de um ramo novo com aproximadamente 10-15 cm, retirando-se algumas folhas da base e plantando directamente no solo, ou através de sementes, por este método a planta demora muito mais tempo para se desenvolver.
 
Floração: A floração dá-se na primavera/verão, se o clima for ameno pode florescer para além desses meses. A cor da flor é azul ou violeta claro, estão presentes na planta durante quase todo o ano.
 
Colheita: Apanhar em pequenas quantidades durante todo o ano. A colheita principal das folhas deve ser feita antes da floração.
 
Na culinária: Fresco ou seco, é muito apreciado na preparação de vários tipos de carne e batatas assadas. Em churrascos recomenda-se espalhar um bom punhado sobre as brasas, para perfumar a carne e espalhando o seu agradável odor no ambiente.
 
Na saúde: Planta aromática e medicinal; ramos, folhas e/ou flores são utilizadas em infusões, secas ou frescas. Tem grande número de aplicações medicinais e cosméticas. A medicina popular aconselha o alecrim como estimulante às pessoas atacadas de debilidade. A tosse pertinaz desaparecerá com infusões de alecrim, bem como ajuda as pessoas cujo estômago seja preguiçoso para digerir. É relaxante muscular, ativador da memória e fortalece os músculos do coração.
§ A informação aqui apresentada não deverá nem poderá ser seguido como substituto de consulta médica. Não se pretende aconselhar sobre como curar sintomas ou doenças. Consulte sempre o seu médico para aconselhamento sobre a sua alimentação e saúde. O objetivo desta informação é incentivar uma alimentação saudável.
 
Curiosidades: Segundo se diz o alecrim tem a propriedade de afugentar as pragas, assim todas as plantas perto de si estarão mais protegidas dessas mesmas pragas.
A flor do alecrim está associada à coragem e fidelidade. De igual forma, significa bom ânimo, confiança e espiritualidade. As suas flores transmitem um sentido de bem-estar e por esse motivo estão muitas vezes presente em reuniões familiares.
Os romanos designavam-no como rosmarinus que em latim significa orvalho do mar.
 
 

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

terça-feira, 14 de abril de 2015

RATATOUILLE

O ratatouille é um prato rústico, conhecido desde o séc. XVIII, típico da região da Provença, França, pode ser servido quente ou frio, sozinho ou como acompanhamento.

Na minha receita tem algumas variantes. Acrescento azeitonas e cubos de tomate (sem cozinhar) é servido quente acompanhado por uma fatia de seitan.


 

Receita de: 
Jacqueline Ingold Vilela Passos.

Refogar em azeite cebolas cortadas a rodelas até ficarem translúcidas. Juntar alho picado, ervas de Provence (tomilho rosmaninho, orégão, manjerico, etc.) e sal que baste. Misturar bem. Juntar pimento verde (também vermelho e/ou amarelo se quiser) cortados em pedaços e sem pevides. Misturar. Em seguida juntar beringelas cortadas em cubos e curgetes também em cubos (ou quadrados). Por fim, juntar tomates em pedaços, 1 a 2 folhas de loureiro (segundo gosto) e um pouco de pimenta (facultativo). Deixar cozer em lume brando durante cerca de 1h e meia, mexendo de vez em quando. Pode-se comer quente ou frio.


 
 

Fonte:
A CASA DE PAÇO DE VIDES
História da Família - Os Vilela Passos, de Estela Ângela Leite de Barros Vilela Passos 
           

terça-feira, 24 de março de 2015

LIMOEIROS DO GRANDE PORTO ATACADOS POR NOVA PRAGA

O Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) identificou recentemente uma nova praga em citrinos na área do Grande Porto, cujo inseto picador-sugador considerado de quarentena provoca “estragos muito graves”.

 
 
De acordo com um ofício da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), datado do dia 09 de março, o inseto – psila africana –, “além de provocar estragos diretos, pode veicular uma doença muito grave dos citrinos denominada Citrius greening causada por uma bactéria muito destrutiva” e que faz com que o fruto cresça pouco e se apresente deformado e descolorido.
Contactada pela agência Lusa, Gisela Chicau, da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, garante que o consumo de citrinos recolhidos em árvores afetadas pela praga “não tem qualquer risco para a saúde humana”.
Depois de, em dezembro do ano passado, Espanha ter notificado a primeira deteção desta praga na zona da Galiza, foi levada a cabo uma vigilância suplementar particularmente dirigida à zona norte do país, “tendo sido detetada a presença deste inseto em citrinos isolados em jardins particulares na área do Grande Porto em janeiro de 2015”, lê-se no ofício, disponível na internet.
“Da prospeção exaustiva realizada verifica-se que as deteções se circunscrevem à Área Metropolitana do Porto”, refere o documento, especificando que a praga foi detetada em diversas freguesias dos concelhos de Gondomar, da Maia, de Matosinhos, do Porto e de Gaia.
A psila africana, que foi “observada pela primeira vez na Europa, em 1994, na ilha de Porto Santo (Madeira)”, provoca a deformação das folhas novas, que ficam enroladas acentuadamente para o interior, atrofiadas e amareladas.
Como medida de combate a esta praga de quarentena, a Direção Regional salienta a proibição da entrada no país de material de propagação de citrinos, o corte e queima de imediato dos ramos com sintomas, seguindo-se um tratamento contra as formas hibernantes de insetos e ácaros à base de óleo de verão, tendo cuidado de atingir completamente a copa da árvore.
“As árvores afetadas devem ser sujeitas a monitorização durante o ano, para confirmação da eliminação ou não da praga e continuação de aplicação de medidas para o seu combate”, acrescenta a Direção Regional, na nota de divulgação da praga, disponível no seu site.
Gisela Chicau referiu que qualquer horto e cooperativa dispõem de profissionais habilitados para proceder ao combate desta praga, que implica o uso de inseticidas.
Até ao momento, a praga foi encontrada em árvores de citrinos, na sua maioria limoeiros, nas freguesias de Fânzeres, São Cosme e Valbom (Gondomar), Águas Santas (Maia), Leça da Palmeira, Matosinhos, São Mamede de Infesta e Senhora da Hora (Matosinhos), Aldoar, Nevogilde e Ramalde (Porto) e Arcozelo, Canidelo, Guilpilhares, Madalena, São Félix da Marinha, Valadares e Vilar do Paraíso (Gaia).
“Caso observe sintomas em plantas de citrinos deve contactar a Direção Regional de Agricultura e Pescas da sua região”, apela a DGAV no ofício.
O objetivo, concluiu Gisela Chicau, “é delimitar a zona infestada, acompanhar a mancha para ver a sua evolução”.

Li aqui: http://www.porto24.pt/cidade/limoeiros-do-grande-porto-atacados-por-nova-praga/

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

VISITAS 1 - pardal




"Roubei" esta foto de um pardal-comum (macho), alimentando uma cria, aqui:

Nome: Pardal-comum ou pardal-doméstico
          
Passer domesticus


Identificação: O facto de coexistir com o homem no mesmo ambiente faz com que as suas características sejam facilmente apreciadas. Os machos e as fêmeas apresentam plumagens diferentes, sendo o primeiro caracterizado pelo babete preto, a testa e a coroa cinzentas, os loros escuros e o dorso acastanhado com marcas escuras. As fêmeas não possuem babete nem os loros escuros, apresentando a plumagem acastanhada e uma lista creme desde o olho à nuca. O bico é grosso, como é próprio das aves granívoras.


Abundância e calendário: O pardal-comum é bastante abundante ao longo do território, sendo geralmente ubíquo em zonas humanizadas, tanto em grandes cidades como em aldeias ou lugarejos habitados. Ocorre durante todo o ano, podendo formar bandos de grandes dimensões, especialmente em zonas agricultadas ou em dormitórios de parques urbanos.


Obtive este texto aqui:
http://www.avesdeportugal.info/pasdom.HTML



 - Encontram-se em grande número na Casa do Sargassal, onde todos os anos vêm procriar no telheiro que cobre a entrada da casa. Aqui permanecem até partirem para outras paragens.

É uma das aves mais comuns no mundo.

Alimentam-se principalmente de sementes, embora também consumam pequenos insetos, especialmente no período de reprodução.


segunda-feira, 13 de outubro de 2014

HIBISCO


Nome vulgar: Hibisco-da-Síria, Rosa-de-Sarom

Nome botânico: Hibiscus syriacus

Origem: Originário da China e zonas da Ásia.

Descrição: Arbusto de crescimento rápido, forma colunar, muito ramificado, com folhas verde-escuras serrilhadas de forma irregular e flores vistosas, de pétalas simples ou dobradas ao longo dos ramos, cuja altura pode atingir aproximadamente 3 metros. 
 
Clima e Solo: Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado periodicamente. O hibisco-da-síria é tolerante ao frio e á geada. Também pode ser utilizada no litoral, pois tolera a salinidade do solo, mas a sua floração mais abundante é em lugares com clima de características tropicais.

Adubações mensais na primavera, verão e outono estimulam intensas florações e deixam a folhagem mais vistosa.

Podas de limpeza, formação e renovação são essenciais para esta espécie e devem ser realizadas no inverno. Quando usada como cerca-viva pode ser podada, diminuindo bastante a produção de flores. A distância entre plantas deverá ser de aproximadamente 0,50m, tanto em ornamentação ou cortina vegetal.
É usada com muito sucesso na arborização urbana, sendo plantada isolada, em conjunto ou em fileiras. É excelente como cerca-viva, sendo ao mesmo tempo rústica e florífera.

Floração: Encontram-se diversas variedades de flores, róseas, roxas, brancas ou azuis e várias combinações entre estas cores, exalam forte aroma nas noites de calor.
A época de floração prolonga-se de Maio a Setembro.

Variedades de flores existentes na Casa do Sargassal:

 






 






















Propagação: Pode ser feita por estacaria dos ramos, retirando-se parcialmente as folhas, as flores e os botões, colocando-se as estacas em areia de construção previamente lavada e húmida até o completo enraizamento, também por sementes. Eu uso este sistema, embora seja mais demorado obter plantas com algum porte.

Usos: Suas flores são consideradas como comestíveis e delas se pode fazer deliciosas saladas ou geleias. Das folhas também se faz um chá muito aromático. Li estes usos, aqui.
 
Curiosidades: A Coreia do Sul adotou o hibisco-da síria como flor nacional.
 

quarta-feira, 11 de junho de 2014

LARANJEIRA

 
Nome vulgar: Laranjeira
 
Nome botânico: Citrus sinensis
 
Fruto: A laranja, tem um sabor que varia do doce ao levemente ácido.
 
Algumas variedades: Existem muitas variedades que se diferenciam pelo sabor, rugosidade e tamanho. Alguns nomes, Baía, Dalmau, Navelate, Cadena, Jaffa, Sanguínea, New Hall, Bedemar e Valencia Late.
 
Origem: A laranja é um fruto híbrido, criado na India a partir do cruzamento do pomelo com a tangerina, onde tinha o nome de nareng. O fruto, muito apreciado, acabou por se espalhar por toda a Ásia, chamando-se narang. A laranja doce é originária da China de onde foi trazida para a Europa no séc. XVI pelos portugueses.
 
Clima e Solo: Clima Continental, Mediterrânico, Oceânico, Tropical e solo fértil, profundo, enriquecido com matéria orgânica e irrigado a intervalos regulares.

Propagação: A alporquia é um dos métodos mais antigos utilizados para a reprodução de plantas. O processo consiste em incentivar uma região próxima da extremidade de um caule principal ou de um ramo lateral a produzir raízes. Este processo deve ser realizado, no mês de Junho. Assim sendo, numa primeira fase deve cortar-se aproximadamente 5 cm de casca. Retira-se a casca e raspasse a zona com uma navalha até ficar com a cor esbranquiçada. Seguidamente coloca-se um recipiente - um garrafão de plástico, por exemplo - cortado a meio apenas num dos lados e enche-se de terra húmida.
                                            
A enxertia é outro dos métodos de propagação. 
 
Floração: Abril / Maio

Colheita: Conforme as variedades a colheita prolonga-se por um período que se inicia no princípio do mês de Outubro e termina no mês de Junho.
 
Composição nutricional:
 
 
Receita: Bolo de laranja e sultanas
Ingredientes: 500g de farinha de trigo branca, 350g de açúcar amarelo, 1 chávena de óleo, 300ml de água fria, 1 chávena de sumo de laranja, sultanas q.b., 1 colher de chá de fermento em pó, raspa de laranja q.b., uma pitada de sal e 1 colher de chá de vinagre.
 
Curiosidades: As laranjas doces são denominadas «portuguesas» em vários países da zona dos Balcãs. Na Grécia é «portokali», na Turquia «portokal», na Roménia «portocala», na Itália «portogallo».